Fórum para publicações dos textos criativos pelos membros do grupo Escritor da Depressão.


    [ Meu livro de Fantasia] - Prólogo

    Compartilhe
    avatar
    Luiz Teodosio
    Admin

    Mensagens : 10
    Data de inscrição : 01/05/2013
    Idade : 28
    Localização : Rio de Janeiro

    [ Meu livro de Fantasia] - Prólogo

    Mensagem por Luiz Teodosio em Sab Maio 04, 2013 6:37 pm

    Olá, pessoal. Eu queria ter colocado o título do livro no tópico, mas ainda estou segurando o nome até que eu possa registrar parte do original. Mas apenas para contextualizar é uma história de Fantasia passada num universo fictício (ou nem tão fictício assim) envolvendo uma cidade habitada por Magos de todas as idades.

    Esse é apenas o prólogo do livro. Posteriormente colocarei o primeiro capítulo.

    Críticas são bem-vindas. Boa leitura.

    Momentos de sabor vitalício; os mais abertos se enfartam no banquete, os mais reservados têm o apetite moderado, e os mais tímidos fazem roncar o coração vazio.
    Ali, no Salão Oval, a vida era servida em instantes produzidos e degustados simultaneamente: na animada conversa entre jovens dispostos a interação, na troca de olhares entre duas pessoas cujas declarações de amor aguardam a coragem para serem proferidas, nos movimentos espontâneos de uma dança capaz de liberar o corpo e o espírito, ou, simplesmente, num metódico cumprimento de boas vindas.
    — Boa noite, senhor. Tenha uma ótima festa.
    O homem deu um sorriso acanhado ao receber a saudação do porteiro e adentrou no recinto fervilhante de vivacidade: uma festa anual que reunia todos os estudantes da Academia. Para lá e para cá, via adolescentes de 12 a 17 anos, e também professores, em trajes a rigor. Em algum lugar do salão, uma orquestra emanava uma melodia calma e contagiante como se procurasse estimular um equilíbrio natural e purificador entre as relações desenroladas no ambiente. Os diversos lustres realçavam a predominância do tom creme nas paredes, nas colunas e no piso encerado.
    Como uma presença solitária em meio a tanto regozijo circundante, o homem aguardou uma segunda discordância.
    A harmonia imperiosa no salão foi gradualmente chacoalhada por uma energia sinistra que não demorou a ser sentida no íntimo de cada um. Contudo, aquelas pessoas se encontravam tão embriagadas de júbilo, que acharam ser um mero devaneio. Acreditaram que essa coceira repentina dentro deles se encerraria em poucos segundos, mas estes foram traiçoeiros, pois a comichão se intensificou a ponto de seus rostos exibirem um esgar incômodo.
    A anomalia ganhou expressão concreta no desafino dos músicos. Agora, as notas musicais passavam a refletir toda a confusão interior dos convidados. A iluminação dos lustres, oriunda substancialmente de magia, também foi afetada e começou a oscilar até finalmente se apagar. Então, os músicos pararam de tocar, e as pessoas pararam de falar.
    Escuridão e silêncio.
    Dentre todas as expressões de confusão e receio, apenas um rosto sorriu. E, instantes depois… uma voz sibilante, saturada de maldade, atingiu a todos como braços longos e mórbidos envolvendo-lhes o corpo, atravessando-o e espremendo a alma.
    — Viver… não vale a pena.
    Em seguida, uma ordem estridente e atemorizante, tão contundente que se desviou do caminho da mente e desceu direto ao coração:
    — Renunciem suas vidas!
    A energia maligna — uma fumaça etérea da cor do ébano — explodiu no centro do salão e abalou de vez a combinação das vidas ali presentes. O mal penetrou no âmago de cada convidado e reavivou todas as angústias empíricas, usou-as para infectar a alma e escurecer eras de felicidade. Máculas de sofrimento desdobraram-se até os limites da existência e entorpeceram o desejo de viver. Era como um buraco negro dentro do princípio da vida, sugando parte do passado e todo o futuro.
    Muito pior ao momento em que a tristeza conduz as pessoas a se jogarem em cantos solitários para remoerem a penosa vida que possuem, adolescentes com todo o resplendor de um futuro pela frente desabaram no chão, desalentados. Seus rostos personificavam um desgosto máximo: a renúncia de viver.
    — Sim, abandonem o sofrimento. Entreguem-se à escuridão — proferiu a entidade, saboreando a energia maligna que fluía daquela renegação vital, e, assim, se fortificando cada vez mais.
    Aparentemente, para aquelas pessoas, nenhuma lembrança feliz, nenhum vislumbre do passado ou do futuro parecia ser forte o bastante para resistir às trevas dominantes. A morte era apenas uma questão de tempo e de desistência…
    Exceto para um deles.
    avatar
    Diego Tavares

    Mensagens : 11
    Data de inscrição : 02/05/2013
    Idade : 23
    Localização : Nova Iguaçu, RJ.

    Re: [ Meu livro de Fantasia] - Prólogo

    Mensagem por Diego Tavares em Sab Maio 04, 2013 8:58 pm

    Como é só o prologo, não da pra falar mt sobre o enrendo. Por enquanto a Narrativa ta com um ritmo legal, boas descrições. E ficou bem interessante a "sensação" que essa tal entidade maligna conseguiu levar às pessoas.
    avatar
    Luiz Teodosio
    Admin

    Mensagens : 10
    Data de inscrição : 01/05/2013
    Idade : 28
    Localização : Rio de Janeiro

    Re: [ Meu livro de Fantasia] - Prólogo

    Mensagem por Luiz Teodosio em Dom Maio 05, 2013 11:10 am

    Obrigado pelo comentário, Ferreiro. Smile Eu realmente quis passar as sensações oriundas desse cenário. No geral, o prólogo está sendo bem aceito pelos leitores.

    Conteúdo patrocinado

    Re: [ Meu livro de Fantasia] - Prólogo

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qua Out 17, 2018 9:48 pm