Fórum para publicações dos textos criativos pelos membros do grupo Escritor da Depressão.


    Deleite e Delírio [ Novaya O Legado - Trecho]

    Compartilhe
    avatar
    Novayan_

    Mensagens : 9
    Data de inscrição : 05/09/2014
    Idade : 24
    Localização : Piracicaba/ SP

    Deleite e Delírio [ Novaya O Legado - Trecho]

    Mensagem por Novayan_ em Ter Jan 13, 2015 2:30 pm

    [...]

    - Senhor Venere – Prosseguiu assentindo o desfile das prostitutas – O senhor passou por inúmeras atribulações esta noite, esperava que uma distração como esta viesse a lhe confortar. Bebemos e brindamos! Porém, às vezes me esqueço de que nem todos são feitos de aço, como eu mesmo, e consigam se recuperar de algum problema tão rapidamente. Independente do motivo, ou das atribulações que venha passando, nada lhe dá o direito de ser jocoso comigo em meu próprio lar, em minha própria mesa!

    Lá estava à representação da Fera que vira a pouco no quarto. Afinal, não era uma alucinação, e sim a simples dantesca verdade. Que a realidade e o planeta vermelho, abrigavam em seu seio o fogo cruel do Demônio.

    Engoli em seco, desviando os olhos.

    - De fato senhor Morgenstern, nem todos possuem a sua habilidade. Ainda vejo os demônios que me afrontaram, e à Mary desde que chegamos neste lugar. Acredita em coincidências? Ou que um homem possa se enganar ou mentir sobre assuntos tão sérios?

    Duas mulatas, gêmeas, magistralmente esculpidas e salpicadas de pérolas, ouro e brilhantes, arremeteram suas caprichosas curvas contra nós. Morgenstern devolveu o brilho ardiloso aos seus olhos negros que se comprimiam, junto com os lábios, numa expressão nova de tenra satisfação.
    A surpresa nos livrara do inconveniente assunto, somente para me lançar numa nova profusão de raiva, asco e desgosto.

    - Sei de algo que você irá gostar. – Sussurrara Friedrich a mim, a elas e por que não a si próprio.

    A gêmea mais próxima repousou serenamente o quadril robusto e nu sob meu colo. Um sorriso maliciosamente ingênuo e incrivelmente branco, contrastavam com sua pele negra de ébano, junto das joias que faiscavam como as estrelas:

    - Falam inglês? – Sorria a dançarina copiosamente acomodando-se entre minhas pernas. – Eu me chamo Estela e esta é minha irmã Karen.
    A gêmea junto a Morgenstern assentiu com o mesmo sorriso largo.

    - Notamos que os senhores não estavam se divertindo e viemos saber se podemos fazer alguma coisa por vocês.

    - Na verdade...

    - É claro que podem minhas rainhas, já nos sentimos muitíssimo melhor com a companhia tão encantadora das senhoritas. Por favor, fiquem.

    O homem de fisionomia tão marcante, de fala tão mansa e insidiosa, parecia transitar entre o deleite e o delírio quase tão facilmente quanto respirava ou sorria daquela forma sardônica. Ele entrelaçou as mãos circundando a cintura de Karen, enquanto puxava as curvas nuas e rotundas daqueles seios negros e viçosos à própria boca.

    Em meio à sordidez da cena, mal pude debelar meus instintos primais que ascendiam e enrijeciam do colo, instigados, sobretudo pelo balanço ritmado das nádegas de Estela e seu perfume cálido, hipnotizante:

    - E o que eu posso fazer por você meu senhor? – Sussurrava roçando os seios em meu peito descompassado.

    - Eu...

    Morgenstern guiava agora, do seu lado da mesa, as carícias e beijos de Karen sobre sua calça entreaberta. A longa cascata negra hora abaixava, hora ascendia, não mais que o suficiente para ver sua expressão de deleite e seus olhos amendoados enfim cerrados num tom animalesco de súplica e obediência.

    - Eu...

    Via em igual estado, os olhos de Morgenstern agora suspensos em êxtase e contemplação. Sua boca entreaberta imitava o espaço em que a jovem mulata investia; subia, resistia e beijava. Mesmo o estalo molhado daqueles beijos perdidos entre o ribombar da música era infinitamente audíveis e quase possuíam vida e sabor próprio.

    [...]

      Data/hora atual: Seg Nov 19, 2018 12:31 am